Destaque

Três suspeitos foram presos por ajudar fugitivos de Mossoró

Metrópoles Três pessoas foram presas suspeitas de ajudarem os fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte....
Leia mais
Destaque

Raquel Lyra assina acordos de cooperação técnica com a ministra das Mulheres

Nesta sexta-feira (23), a governadora Raquel Lyra recebe, no Palácio do Campo das Princesas, a ministra da Mulher, Cida Gonçalves,...
Leia mais
Destaque

Prefeito de Carnaíba busca parceria com Sudene para garantir acesso à água nas comunidades rurais

O prefeito de Carnaíba, Anchieta Patriota (PSB), esteve em uma reunião nesta quinta-feira (22) com o superintendente da Sudene, Danilo...
Leia mais

Justiça do Rio de Janeiro manda soltar Doutor Bumbum

O médico Denis César Barros Furtado não tem registro para atuar no Rio nem formação em cirurgia plástica

                  Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade, concedeu na noite desta terça-feira (29) o habeas corpus para o médico Denis Cesar Barros Furtado, conhecido como Doutor Bumbum. Preso desde o dia 19 de julho de 2018, o médico responde pela morte da bancária Lilian Calixto, 46, após a realização de um procedimento estético.

Os desembargadores da 7ª vara criminal do Rio decidiram trocar a prisão do médico por medidas cautelares. Entre elas, ele deve ficar em casa à noite e nos dias de folga, enquanto estiver sendo investigado. Ele também está proibido de deixar o Rio de Janeiro.

Lilian era moradora de Cuiabá e morreu no dia 15 de julho de 2018 horas depois de ser submetida a um procedimento estético no glúteo no apartamento do médico, em um condomínio na Barra, zona oeste do Rio. 

Na ocasião, o médico relatou que a paciente não teve reação à aplicação de 300 ml de PMMA (polimetilmetacrilato) na região do glúteo. Ela teria, no relato do médico, ligado mais tarde alegando estar se sentindo mal e foi levada ao hospital privado Barra D’Or. 

Segundo informações da unidade de saúde, ela chegou em estado extremamente grave e mesmo após “manobras de recuperação”, não foi possível reverter o quadro. A paciente acabou morrendo duas horas após atendimento devido a uma embolia pulmonar, causada por uma obstrução em uma artéria do pulmão. 

O médico, que não tem registro para atuar no Rio nem formação em cirurgia plástica, foi preso junto com a mãe, Maria de Fátima Furtado, que atuava como assistente, e a namorada, que era sua secretária.

Deixe um comentário