Destaque

Ministério da Saúde garante novo lote de vacinas contra a Covid-19

Na última sexta-feira (19), o Ministério da Saúde firmou um contrato crucial para a aquisição de 12,5 milhões de doses...
Leia mais
Destaque

Afogados da Ingazeira marca presença em congresso sobre sustentabilidade do SUS

O município de Afogados da Ingazeira marcou presença na 6ª Mostra “Pernambuco Aqui Tem SUS” durante o XIV Congresso do...
Leia mais
Destaque

Afogados: chuvas Intensas voltam a causar transtornos em pontos da cidade

As chuvas intensas que atingiram Afogados da Ingazeira na noite deste domingo (21), deixaram um rastro de transtornos e problemas...
Leia mais

Aeroporto do Recife será leiloado nesta sexta-feira

Aeroporto do Recife

                          Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Cerca de um ano e meio após a publicação do decreto do ex-presidente Michel Temer lançando a 5ª rodada de concessão de 12 aeroportos da Infraero à iniciativa privada – incluindo oAeroporto Internacional do Recife -, chegou o dia do leilão. Nesta sexta-feira (15), às 10h, em sessão pública na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), serão abertas as propostas econômicas das empresas e concessionárias interessadas em adquirir os terminais. Divididos em três blocos – Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste -, suas concessões serão de 30 anos. As empresas que ganharem o certame vão administrar todos os terminais incluídos no mesmo bloco.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), durante a sessão desta sexta, serão listados os valores propostos em ordem decrescente. Depois, serão selecionadas três empresas com as maiores propostas, além das que ofertarem o lance com valor acima de 90% do mínimo estabelecido para o bloco. Esses seguirão para a disputa lance a lance, e ganhará a empresa que ofertar o maior valor de contribuição inicial.

Para o bloco Nordeste, formado pelos aeroportos do Recife (PE), Maceió (AL), Aracaju (SE), Juazeiro do Norte (CE), João Pessoa e Campina Grande (PB), a contribuição inicial é formada pela outorga fixa mínima de R$ 171 milhões, mais o ágio, se houver. Esse valor deverá ser pago à vista no ato de assinatura do contrato. A partir do 6º ano, a empresa iniciará o pagamento das outorgas variáveis, que terão percentual variável até o 30º ano. Esses percentuais serão calculados em cima da receita bruta anual.

Deixe um comentário