Destaque

Com investimento de R$ 9,3 milhões, governadora Raquel Lyra entrega novas viaturas e equipamentos para o Corpo de Bombeiros

Entre os itens adquiridos pela gestão estadual estão motos de salvamento aquático e câmeras termográficas, que vão auxiliar na busca...
Leia mais
Destaque

Campeonato rural de Afogados terá a maior premiação de sua história

O anúncio foi feito pelo Prefeito Sandrinho Palmeira neste domingo (21), durante a abertura do campeonato rural de futebol de...
Leia mais
Destaque

Jornalista diz ter sido intimidado por LW. “Você não me conhece”

O jornalista Dárcio Rabêlo, da Independente FM, disse há pouco em uma live que foi intimidado pelo prefeito Wellington Maciel....
Leia mais

Defensoria discute educação e empregabilidade de pessoas com Síndrome de Down

Cromossomo21

                                Cromossomo21 Foto: Divulgação

Em busca de conhecer a situação de empregabilidade e educação ofertada para pessoas com Síndrome de Down no Estado, a Defensoria Pública de Pernambuco realiza nesta sexta-feira (26), às 13h, na avenida Manoel Borba, no bairro da Boa Vista, Recife, uma roda de conversa com vários atores que atuam no apoio e acolhida a estes indivíduos dentro das suas especificidades. 

Para o evento foram convidados instituições do Sistema S e empresários, além de organismos do governo estadual e municipal que cuidam da juventude e do emprego. A audiência será conduzida pela defensora Natalli Brandi. O evento é só para convidados. 

A defensora comentou que a colocação do tema na mesa de diálogos partiu da demanda de pais preocupados com o futuro dos filhos. No alvo da Defensoria está a criação de políticas e meios de inclusão dos jovens com Down no mercado de trabalho. “O que mais preocupa os pais e as famílias é que a inserção dessas pessoas, muitas vezes, é feita de forma equivocada”, pontuou. 

Segundo ela, as empresas acabam querendo cumpri a lei de cotas de emprego, mas raramente escolhem um candidato com deficiência intelectual. Mesmo quando isso acontece não há uma sensibilização para receber o contratado com este tipo de deficiência. 

“O resultado é a frustração por parte do jovem empregado e por parte de quem empregou, além dos familiares que criaram uma expectativa”, disse. A meta da Defensoria é, a partir da conversa, gerar encaminhamentos que podem promover comportamentos mais efetivos de inclusão concreta, tanto abrindo as portas da empregabilidade como de capacitação o candidato. Outra necessidade da defensora Natalli é conhecer quantos jovens com Down estão empregados no Estado. 

Deixe um comentário