Destaque

Em Sertânia, ponte da RFFSA sumiu

Uma ponte de ferro de aproximadamente 30 metros foi levada próximo ao distrito de Henrique Dias, Sertânia. A denúncia foi...
Leia mais
Destaque

Dom Limacêdo Antônio assume Diocese de Afogados da Ingazeira hoje; veja a programação

Logo mais, às 17h, no patamar da Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, em Afogados da Ingazeira, acontece a...
Leia mais
Destaque

Prefeitura de Afogados da Ingazeira iniciou mutirão de recolhimento de entulhos na cidade

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira iniciou um grande mutirão para o recolhimento de entulhos em áreas críticas da cidade....
Leia mais

Delegado confirma descoberta de ossada em Afogados da Ingazeira

Por André Luis

Na tarde desta quarta-feira (20), foi encontrado nas proximidades do IFPE de Afogados da Ingazeira, um corpo com alto grau de decomposição. A informação que circulou em aplicativo de mensagem, foi confirmada pelo delegado Ubiratan Rocha.

Falando ao repórter Celso Brandão, na manhã desta quinta-feira (21), durante o programa Manhã Total da Rádio Pajeú, Ubiratan informou que receberam a informação na delegacia por volta das 15h desta quarta e rapidamente foi feito descolamento ao local e confirmada a informação.

O delegado informou que o estado de decomposição do corpo passa de três ou quatro meses e que o Instituto Criminalista deve colher o DNA de familiares de um desaparecido.

“De início não temos ciência de quem seja, apesar de confirmações futuras que possam resultar na identificação dele, familiares de um desaparecido já procuram a delegacia”, informou Ubiratan.

Ubiratan disse que ainda é cedo para falar alguma coisa, mas pelas análises do local, tudo indica que não houve violência. “Existe entre 90 e 95% que não houve qualquer tipo de violência, porque não tinha nada que demonstrasse a violência e a prática de homicídio naquele local.”

Segundo o delegado, o corpo possivelmente pertence a um andarilho que possa ter chegado ao local e ter tido um infarto ou outra coisa.

O delegado informou ainda que o corpo não estava sepultado, o que indica que não houve tentativa de ocultação de cadáver. “Algumas partes estavam desmembradas do corpo, mas pode ter sido feito por animais”, disse Ubiratan.

Segundo Rocha, por conta dos trâmites burocráticos, o resultado da identificação dos restos mortais deve levar entre dois ou três meses.

Deixe um comentário