Destaque

Três suspeitos foram presos por ajudar fugitivos de Mossoró

Metrópoles Três pessoas foram presas suspeitas de ajudarem os fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte....
Leia mais
Destaque

Raquel Lyra assina acordos de cooperação técnica com a ministra das Mulheres

Nesta sexta-feira (23), a governadora Raquel Lyra recebe, no Palácio do Campo das Princesas, a ministra da Mulher, Cida Gonçalves,...
Leia mais
Destaque

Prefeito de Carnaíba busca parceria com Sudene para garantir acesso à água nas comunidades rurais

O prefeito de Carnaíba, Anchieta Patriota (PSB), esteve em uma reunião nesta quinta-feira (22) com o superintendente da Sudene, Danilo...
Leia mais

Paulo Câmara evita reunião sobre Previdência

Paulo Câmara (PSB)

        Paulo Câmara (PSB)Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco

O governador Paulo Câmara (PSB) não deve participar da reunião com os demais governadores do País nesta terça (11), em Brasília, para discutir a reforma da Previdência. No Recife, o socialista deve lançar, na mesma data, o programa Criança Alfabetizada, apontado nos bastidores como uma das vitrines do governo neste segundo mandato. A solenidade deve contar com a presença de pelo menos 150 prefeitos, o equivalente a mais de 80% dos municípios pernambucanos. Em Brasília, Paulo deve ser representado pela vice-governadora Luciana Santos (PCdoB).

A reunião do Fórum dos Governadores deve ocorrer horas antes de o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentar seu relatório. O documento pode manter ou excluir estados e municípios na PEC que tramita no Congresso Nacional. Se ficarem de fora do texto, governadores e prefeitos terão que propor às assembleias legislativas e câmaras de vereadores seus próprios ajustes nos regimes de previdência deficitários. Parlamentares que defendem essa regionalização das reformas querem dividir com gestores e legisladores locais o ônus de endurecer as regras de aposentadoria. 

Governadores e prefeitos, por outro lado, argumentam que sindicatos e corporações têm mais poder de pressão sobre deputados estaduais e vereadores. Os chefes do Executivo também defendem que reformas locais resultariam em normas diferentes de previdência para servidores de municípios e estados vizinhos.

O encontro dos governadores ocorrerá em meio a um mal estar após imbróglio entre os gestores na semana passada, quando o Fórum dos Governadores divulgou uma carta com assinatura de 25 gestores estaduais em defesa da inclusão dos estados na reforma que foi contestada pelos chefes do Executivo do Nordeste. O documento foi elaborado através de um grupo de WhatsApp com uma regra de que o governador que não respondesse em 30 minutos refutando o teor do texto “concordava” com ele. Um dos nomes incluídos dessa forma foi o de Paulo Câmara. No mesmo dia, os governadores do Nordeste divulgaram uma carta à parte em que também pregavam a manutenção dos estados na reforma, mas evitando fazer pressão sobre o Congresso. No texto, eles admitem a necessidade de ajustes na previdência, mas criticam pontos como a aposentadoria rural, o benefício de prestação continuada (BPC), o regime de capitalização e a desconstitucionalização das normas previdenciárias.

Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL), cobraram apoio dos governadores do Nordeste à reforma da Previdência em agendas no Recife. Os ajustes, porém, não resolvem totalmente os déficits dos estados com as aposentadorias dos seus servidores. Em Pernambuco, o saldo negativo seria reduzido em 48%, segundo estudo do Instituto Fiscal Independente (IFI), órgão do Senado Federal. O Ministério da Economia promete que a reforma trará uma economia de R$ 12 bilhões para Pernambuco em dez anos. Em 2018, Pernambuco teve um déficit de R$ 2,6 bilhões em seu regime próprio de previdência.

Deixe um comentário